Experiências emocionais vividas por pessoas que perderam a função renal e aguardam por um transplant


Perder a função renal, entrar na hemodiálise e aguardar pela possibilidade de um transplante é uma realidade vivida por milhares de brasileiros. Este impacto na saúde envolve tanto o paciente quanto seus familiares. A vida muda, é preciso estabelecer uma nova rotina, os impactos físicos são muitos. Cirurgias para fazer a fístula, acessos venosos através de cateter, dores, desconfortos, remédios, restrição de água e alguns alimentos, convívio com a possibilidade de morte entre muitas outras coisas que só quem passa por essa situação vive. Dentre todos estes impactos físicos ocorrem ao mesmo tempo os impactos emocionais. Cada um vive essa situação de uma forma e alguns precisam de uma ajuda profissional para prosseguir. A depressão, ansiedade, insônia, nervosismo, desânimo e baixa autoestima podem ocorrer. Essas são as consequências emocionais da doença renal e se isso acontecer não tenha medo ou vergonha, procure ajuda psicológica em sua clínica ou hospital. Todos os pacientes renais passam por um momento ou outro de uma baixa emocional.

Rodrigo Félix também passou por todo esse processo e relata de uma forma simples mas muito profunda sobre esse momento de sua vida. Segue abaixo o seu relato emocionante!

"Falando sobre a minha experiencia em conviver com a hemodialise e a fila de transplante.

A saúde emocional também é importante! Enquanto cuida de saúde física, deve-se também cuidar da sua saúde emocional. Cada pessoa tem uma experiência diferente. Algumas pessoas que estão se preparando para o transplante podem sentir tristeza, culpa, sensação de perda, medo, ansiedade e raiva. Você pode sentir oprimido. Outras pessoas experimentam sentimentos positivos como uma esperança renovada, emoção e gratidão. Você pode ter uma mistura de sentimentos e emoções. Todos esses sentimentos são normais. Não é necessário que essas sensações tenham sentido, mas é importante reconhecê-las. Como você pode controlá-las? Comece por concentrar suas forças e procurar apoio. Sinta-se livre para expressar seus sentimentos a alguém que você confia. Talvez o fato de traduzir seus sentimentos em um diário pode ajudar a controlá-los. Relaxamento é uma outra estratégia para lidar com sentimentos e emoções. Algumas pessoas gostam de se sentir no controle das situações. Tomar medidas para se sentir mais forte e aprender sobre o que esperar e assim recuperar um sentido de controle. Torne-se seu próprio advogado. Peça explicações de coisas que não entende. Seja um participante ativo no seu cuidado. Tenha expectativas realistas. Uma maneira de reduzir o estresse e os sentimentos negativos é estabelecer metas e expectativas realistas. Note que o transplante pode não retornar automaticamente a vida que tinha antes. Contratempos, atrasos e surpresas podem se tornar uma parte regular de controle da doença e do transplante. Mesmo o melhor plano pode precisar se adaptar às situações imprevistas. Portanto, seja flexível e paciente. Planejar o futuro, mas viver o presente. Finalmente, continuar suas atividades habituais e tentar aproveitar a vida. Não relato isso para que tenham pena da minha situação, isso só atrapalha. Meu objetivo é demostrar as pessoas que vivem uma situação semelhante como melhor lidar com tudo isso..."

Agradecemos ao Rodrigo Felix por sua escrita tão inspiradora.

83 visualizações

RESPONSÁVEL TÉCNICA

Marisa de Araujo Gaspar (CRP 05/33597)

 

CONSULTÓRIO

Rua Engenheiro Enaldo Cravo Peixoto

Tijuca - Rio de Janeiro - RJ - Brasil 

CONTATO

 (21) 98796-8990 por Whatsapp