O uso de filmes como ferramenta psicoterapêutica


Será que é possível usar o conteúdo dos filmes como um recurso psicoterapêutico na prática da psicologia clínica? Se pensarmos o número de vezes que os pacientes chegam impactados emocionalmente com uma cena de filme, série, curta ou novela podemos concluir que a resposta é sim. Histórias conectam pessoas, e quando assistimos a um filme estamos assistindo uma história repleta de emoções, sentimentos, imagens, músicas, situações cotidianas ou fantasias que nos mobilizam psiquicamente. Envolvemo-nos, escolhemos um personagem preferido, torcemos por ele e muitas vezes nos identificamos com o seu drama. Os psicólogos podem aproveitar este impacto emocional, provocado pelos filmes, para trabalhar o que realmente importa no tratamento das dificuldades enfrentadas por seus pacientes. Muitas vezes uma cena mobiliza e atinge em cheio os temas que os afligem de forma muita mais rápida e eficaz do que várias sessões de psicoterapia. E não precisa ser um filme muito elaborado, muitas vezes uma animação com sua graciosidade, leveza e beleza vai fundo em aspectos difíceis de serem trabalhados.

Certa vez, em um atendimento psicoterápico, percebi que a paciente chegou à sessão muito mobilizada por ter assistido uma animação que a fez chorar muito na noite anterior. A animação tratava da história de um casal que se conheceu na infância, namorou, noivou e casou mantendo o grande sonho de fazer uma viagem especial. Os anos se passaram e o dinheiro nunca foi suficiente para realizarem este sonho. Eles envelheceram, a mulher adoeceu e faleceu antes de realizar a viagem com seu marido. Mas, mesmo assim, ele resolveu viajar com sua esposa em memória. Este roteiro, envolvendo o amor de uma vida inteira, tocou o ponto que a paciente sempre desejou falar mas não tinha tido a coragem. Neste caso a animação colocou-a diretamente na dor que estava sendo adiada e precisava ser trabalhada.

Sempre que possível, é importante assistirmos o filme que o paciente trouxe para a sessão para que possamos trabalhar as intervenções necessárias. Mas pode acontecer o contrário, o psicólogo clínico pode identificar um tema importante na vida do paciente e sugerir um filme com o objetivo de trabalhar a reflexão dos sentimentos e dificuldades. No caso da psicoterapia individual, pode ser recomendado que o paciente assista algum filme em casa, mas nada impede que o psicólogo possa projetar o filme, ou trechos dele, na própria sessão. No caso da psicoterapia em grupo é muito interessante assistir em conjunto com os pacientes, sempre focando no objetivo daquele filme e estimulando as reflexões individuais.

Este tipo de trabalho é conhecido entre os psicólogos como “cineterapia” e é uma ferramenta terapêutica com múltiplos benefícios. Uma das suas maiores vantagens é colocar o paciente em situações que, talvez não conseguisse imaginar, fazendo com que ele pense como seria viver e resolver a situação descrita no filme. Isso favorece a introspecção de seus sentimentos, emoções e pensamentos tanto do momento presente quanto do futuro, tão necessária para o seu desenvolvimento psicológico.

Psicóloga Marisa Gaspar

CRP 05/33597

www.praxisanalitica.com

15 visualizações

RESPONSÁVEL TÉCNICA

Marisa de Araujo Gaspar (CRP 05/33597)

 

CONSULTÓRIO

Rua Engenheiro Enaldo Cravo Peixoto

Tijuca - Rio de Janeiro - RJ - Brasil 

CONTATO

 (21) 98796-8990 por Whatsapp